Impressão 3D para reconstrução do crânio humano

Enquanto a impressão 3D oferece a muitos usuários a capacidade de produzir e inovar projetos e produtos inteiramente novos, tal tecnologia também pode ser muito bem aproveitada para o preenchimento de espaços em branco. Isto é às vezes verdade em termos de componentes industriais que podem ter se tornado obsoletos e ter que ser recriados para veículos, espingardas de assalto ou vasos, elementos do corpo humano que precisam ser reconstruídos e equipados com implantes após ferimentos agudos, ou como nesta mais nova pesquisa mostra - descobertas antropológicas e restos esqueléticos que precisarão ser reconstruídos, seja em ambientes policiais ou científicos.


Em "Abordagens bem sucedidas para reconstrução tridimensional de restos esqueléticos humanos fragmentados usando a varredura a laser de superfície", escritores da Índia e do Reino Unido pesquisam a impressão 3D para remodelar partes esqueléticas que possam estar faltando. Com este estudo em particular, eles se concentraram na remodelação de parte de um crânio humano e na reconstrução de uma mandíbula. Historicamente, os antropólogos forenses têm usado sobreposição com fotografia para identificar indivíduos perdidos - mas têm experimentado desafios na reconstrução devido a regiões onde o osso está perdido, e partes do crânio, a título de exemplo, podem estar comprometidas.


Hoje, a análise dos restos individuais se baseia em métodos como:


1-X-rays

2-3D imagem

3-Varredura com luz estruturada

4-Varredura de laser

5-Micro CTs

6-Fotogrametria -3D



A digitalização 3D tem oferecido vantagens claras em vários projetos ao longo do tempo, geralmente em ambientes de pesquisa ou museus, permitindo réplicas baratas que podem ser usadas no mercado estrangeiro, forense criminal, ensino, exposições em museus, e muito mais. As vantagens para os departamentos forenses continuam no mundo todo, além de contribuir para o trabalho realizado por outros profissionais.


"Foi estabelecida uma articulação imediata entre o processo zigomático de maxila e osso temporal após a ingestão do arco zigomático", afirmaram os pesquisadores. "Os resultados foram confluentes com o que foi dito na literatura".


Versão impressa reconstruída em 3D.


Uma mandíbula individual também foi obtida através da Universidade de Ciências Forenses de Gujarat. A réplica foi criada com silicone vulcanizado e preenchida com pedra dentária. Os pesquisadores quebraram a réplica em nove peças.

Novo Endereço: Rua Alexandre Dumas, 1488, Chácara Santo Antônio, São Paulo - SP, 04717-003

contato@printit3d.com.br